Se fosse possível dar apenas um conselho sobre como mudar sua vida para melhor, com certeza seria abandone o papel de vítima.

Quem quer levar o desenvolvimento pessoal a sério precisa acreditar que está no comando da própria vida. Isso não significa de forma nenhuma que poderá controlar os acontecimentos à sua volta, mas sim que terá controle sobre a própria percepção acerca de tais acontecimentos.

Uma verdade que você tem de encarar é a de sua situação atual é de total responsabilidade sua. Foi você mesmo quem conquistou seu próprio êxito ou que cavou seu próprio buraco. E é apenas você quem pode mudar a situação.

Infelizmente, são poucos os que realmente assumem essa responsabilidade. Isso acontece porque o papel de vítima é muito mais confortável.

Se não, vejamos. Para uma vítima, a culpa por sua situação é sempre de algum evento externo. É dos pais, do governo, do marido ou esposa, dos filhos, da economia, de Deus, da sorte, da genética, de uma doença… nunca dela mesma.

Quem se coloca no papel de vítima consegue encontrar uma justificativa para tudo. Essas pessoas usam frases comuns como “eu ia começar uma dieta, mas estou num período muito atribulado. Começo na semana que vem!” ou “paro de fumar quando eu quiser, estou no controle aqui”.

Essas justificativas são apenas desculpas que usamos contra nós mesmos para justificar nossa preguiça ou inação. O resultado é um conformismo que pode deixar-nos a vida toda sem sair do lugar, sem realizar nossos maiores sonhos.

Paradoxalmente, as vítimas vivem sempre se queixando. Fazem pouco para melhorar de vida, mas vivem reclamando de algo ou de alguém.

Se esse é o seu caso, pare um pouco e pense. Você reclama por que sua vida está ruim ou sua vida está ruim por que você vive reclamando?

O “lado bom” de ser vítima

Se assumir o papel de vítima é algo tão ruim, por que milhões de pessoas o fazem em uma base regular? A resposta é que elas associam mais prazer do que dor ao se colocarem dessa forma.

Quando você passa o tempo todo colocando a culpa nos outros, justificando sua condição e se queixando, está mostrando para as pessoas com quem você se relaciona como sua vida é uma droga. A esperança é que isso desperte algum tipo de piedade nos outros e assim você ganhe um pouco de atenção.

Segundo Dale Carnegie, sentir-se importante e ter atenção é a maior necessidade do ser humano.

Ficar na zona de conforto e conseguir receber atenção é algo que pode paralisar muita gente. Em vez de assumir a responsabilidade por tudo que acontece na sua própria vida, você acaba estagnado com a ideia do “pobre de mim”.

Não caia no erro de confundir atenção com amor. Garantimos que sentir-se importante por conta dos seus feitos é muito mais prazeroso do que chamar a atenção por causa dos fracassos em sua vida.

Como assumir as rédeas da sua própria vida

O primeiro passo para abandonar o papel de vítima é a decisão. Comprometa-se a levar a vida em vez de ser levado por ela.

Uma vez que você decidiu, comece a trabalhar efetivamente para que isso aconteça. Corte os três principais comportamentos de uma vítima:

  1. Pare de culpar os outros e assuma que a responsabilidade é toda sua
  2. Dê um fim às desculpas esfarrapadas quando se pegar justificando sua própria inação
  3. Corte de vez as reclamações

Se você chegou até esse ponto do texto, é sinal de que está realmente interessado em ser o protagonista da sua própria vida.

Sua decisão está tomada: você agora sabe que cria tudo o que existe e o que não existe na sua vida. Sabe que coisas que você quer não acontecem e que coisas que você não quer acontecem. Mas sabe também que o que importa não são as coisas em si e sim a percepção que você tem dos acontecimentos. Lembre-se de que nada tem valor, exceto aquele que nós mesmos atribuímos.

Continue sua saga para assumir o controle definindo suas metas, lendo livros e blogs sobre desenvolvimento pessoal e tendo a atenção para curtir toda a jornada em vez de guardar a felicidade só para quando atingir seu objetivo.

André Valongueiro

André Valongueiro é coach, educador e escritor. Vive a vida nos seus próprios termos, viajando o mundo enquanto trabalha 100% online. Aprendeu a arte de realizar sonhos com paz e sem ansiedade e quer ajudar você a fazer o mesmo.

9 Comentários

  1. Abandone o papel de vítima e decida protagonizar a sua própria vida | mude.vc http://t.co/bQHZh9Q via @AddThis

    Responder
  2. Abandone o papel de vítima e decida protagonizar a sua própria vida | mude.vc: http://t.co/NTFJFgD via @AddThis

    Responder
  3. É realmente um dos pontos mais importantes que alguém que quer crescer na vida tem que encarar. Excelente artigo!

    Responder
  4. Não dar importância ao que pensam de mim, e não acreditar que fiquei deficiente físico em razão de um acidente, mesmo ouvindo comentários diariamente em todo lugar que vou, Infelizmente isso me desmotiva e me impede de viver por vergonha de meu estado.

    Responder
    • Não deve ser fácil ver a vida ser modificada dessa forma e nao poder reagir ao fato de ter se tornado deficiente físico. Porém, vc pode reagir ao fato de que ainda está vivo e como vai viver o resto da sua vida é responsabilidade sua e nao dos que falam de vc. Mostre que vc é mto mais do que as pessoas veem. Vc é forte, mesmo que não saiba, só precisa libertar essa força para ser o senhor da sua própria vida. Vc consegue !

      Responder
    • Nasci com um problema chamado PTC, Pé Torto Congênito. Sofri muito e sofro ate hoje o que chamam de bullying ou tiração de sarro. Algumas pessoas são crueis. Minha receita é ignorar essa gente é dar valor aos que me aceitam como sou. Não sei se ajudo a vc com minha resposta mas é o que funcionou pra mim. Mude de ares. Mude de ambiente. Faça novos amigos, mesmo que virtuais e frequente grupos de apoio, q rb podem ser virtuais.
      Qto aos q tw discriminam etc, perdoe o palavreado mas “ligue o foda-se” pra eles e siga sua vida.
      Luz e paz pra vc!!!

      Responder
      • Passo por algo semelhante…
        Sofri um acidente em 2004 onde fiquei com uma cicatriz enorme na perna.
        E uma cicatrização meio feia no pé.

        O que acontece?
        Primeiro, sou de outro estado. Norte. e Moro em são Paulo desde 2015.

        Já começa ai rs. Tenho sotaque, sou a moça do norte…. as brincadeiras ja começam ai rs.
        Nem ligo mais.
        Sobre a aparencia da minha perna esquerda… sim, afastam as pessoas… principalmente aquelas tomadas pelo ego.
        Que são aquelas que são lindas, perfeitas, e dizem..vc nunca terá alguem que goste de voce…

        Me afastei dessas pessoas, não me sinto só. Pq nao deve ser bom querer se sentir aceito em um meio cheio de discriminação. ONde pode acontecer com qualquer pessoa o que aconteceu comigo.

        No começo desse mes quase, cai em um trote que iriam fazer comigo, na frente da minha gestão. E meus coordenadores souberaam e ate agora nao se manifestaram. Colocaria meu emprego em risco. E ainda o coloca pois me afastei definitivamente desse grupo.

        Ninguem pensou como isso me atingiria, so pensaram o quanto iriam se divertir as custas dos outros. Falta de empatia qualquer. Mas o que eu fiz? Nada, xinguei um pouco rs que nao sou de ferro mas disse que a partir daquele dia somente iria me dirigir a eles a coisas referentes a trabalho. Solamente.

        E vivo a minha vida. Escolher ninguem escolhe. Mas aprende.
        Não tenho mais familia vivo só. Medo eu tenho o tempo todo por causa do futuro. Mas se eu deixar o medo tomar conta da minha vida, o que vai restar? preciso viver tambem nao é?

  5. O que já aconteceu vc não pode mudar , sua condição hoje não diz respeito a ninguém , por isso não deve se importar . Pessoas fortes, determinadas , que lutam e enfrentam as diversidades são dignas de admiração e isso atrae pessoas do bem , que agregam . Porém pessoas vitimizadas , fracas e que adoram a zona de conforto seja ela qual for , só atraem gentinha . Nem sempre o difícil é sinônimo de ruim , quanto mais difícil de encarar mais vitorioso vc será e com certeza encontrará a paz e dignidade se incluindo nesse novo mundo ao invés de se excluir . Vc não tem que ter vergonha de nada , não roubou e nem matou ninguém , as consequências de alguns atos nos deixa assim vulneráveis , mais isso não faz vc diferente de ninguém .

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Não perca essa oportunidade:
Comece a mudar agora mesmo

Basta um clique no botão abaixo:

jfb_p_buttontext