Um artigo relatando o meu processo de mudança. Não pensei que escreveria algo assim um dia. E talvez não houvesse pensado nisso por achar que jamais acumularia um histórico de mudanças que “justificassem”, por assim dizer, a produção de um relato.

No entanto, conforme o tempo passou e fui “colecionando” uma série de novos hábitos, novos comportamentos, novos conhecimentos, novos hobbies e novas conquistas, algumas pessoas mostraram-se realmente surpresas e curiosas sobre os métodos que usei para fazer isso.

Algumas delas me perguntavam como eu conseguia possuir um emprego formal “e ainda” (aqui comecei a perceber que, para grande parte dessas pessoas, possuir um emprego formal era algo extremamente limitante e impeditivo. E, em alguns casos, realmente é.) estar em uma banda de Death Metal, praticar Triathlon, administrar o Mude.vc, ler 6, 7 ou 8 livros ao mesmo tempo (mas nem sempre terminá-los), namorar, manter uma vida (minimamente) social, entre outras pequenas realizações.

Nas primeiras vezes em que fui indagado sobre essa minha aparente “super capacidade”, admito, fiquei envaidecido. Tive a sensação de que estava fazendo algo realmente grande e incrível. Pura besteira! Cometi toneladas de erros, fiz promessas que não pude cumprir e contemplei toda fragilidade da minha própria força de vontade.

Não cometi, no entanto, os dois únicos erros realmente inaceitáveis: não começar e desistir.

“Terminada a faxina e guardados os cabos e defensas, prendi no depósito da proa, junto com um par de remos de Paraty, a minha vassoura de cabo pintado. Era sábado, 31 de outubro, Dia das Bruxas. Nem me dei conta.

Descendo para o sul, me afastando a todo pano da infinita segurança de Jurumirim, com bruxas ou sem elas, acabava de varrer da minha viagem a pior espécie de poeira que uma vassoura pode afastar: a de nunca começar.” ~ Amyr Klink, em Mar Sem Fim

É realmente possível pilotar a própria vida?

Há tempos me pergunto se é realmente possível assumir o comando e viver a vida nos meus próprios termos, sem ter que seguir o roteiro padrão de ter um emprego das 8h às 18h, preso em um cubículo boa parte do dia, boa parte da vida.

Na verdade já sei que algo assim é completamente possível, pois há anos leio com interesse gigantesco e com imensa admiração relatos e mais relatos de pessoas que realizaram esse feito. A pergunta que me faço, então, é a seguinte: isso é possível para mim?

Ainda não tenho a resposta para essa pergunta, mas tomei uma decisão que considero ser um grande passo na direção da resolução dessa questão: eu resolvi experimentar o caminho de pilotar a minha própria vida.

Se você quer mudar você precisa estar disposto ao desconforto!

Preto no Branco: sem a disposição para o desconforto abandone qualquer esperança de mudança verdadeira. Simplesmente esqueça!

O ponto de ruptura

Eu não possuo mais um “emprego formal”. Esse foi, para mim (e estou certo de que é também para muitas pessoas), o ponto de ruptura fundamental. Não possuo mais aquela fonte de renda maravilhosamente segura que nos faz colocar a cabeça no travesseiro e dormir em paz, sabendo que as contas que virão no próximo mês serão pagas sem problemas.

É um pouco desconfortável, admito, mas eu realmente preciso colocar os pés nesse caminho com o qual sonho há tanto tempo. Penso que trata-se, de alguma forma que não me arrisco a tentar explicar, de uma obrigação para comigo mesmo.

Agora irei me dedicar ao que realmente me interessa nesse estágio da minha vida: investigar a possibilidade de viver a vida de outra maneira, investindo a minha energia e o meu tempo (os recursos mais preciosos que todos nós possuímos) para alcançar realizações com as quais sonho há bastante tempo.

Desejo ajudar a fazer do Mude.vc uma ferramenta de mudança ainda mais útil à comunidade, desejo conquistar uma forma física exemplar com o Triathlon, desejo me divertir e trabalhar com a minha banda, desejo estudar com seriedade aquilo que me atrai e desejo empreender iniciativas que há anos estavam sendo “barradas” pela uma insistente e perniciosa zona de conforto.

E, conforme eu consiga “saciar” cada um desses desejos, quero também ajudar qualquer pessoa interessada em fazer algo semelhante, em viver a vida nos seus próprios termos. Essa é uma obrigação que imponho a mim mesmo.

São 10h30 e estou agora saindo para nadar. Isso é um grande privilégio. É algo ridiculamente simples, mas, paradoxalmente, é também um grande privilégio. Poucas pessoas podem estar em uma piscina em um dia de semana durante o “horário comercial”. Mesmo estando agora em uma Zona de Desconforto o meu novo estilo de vida já começa a me proporcionar vantagens muito interessantes. Vejamos o que há mais adiante!

André Valongueiro nadando em uma piscina.

Hora de nadar!

A importância de um objetivo claro na vida

OK, eu ultrapassei o ponto de ruptura: não possuo mais um “emprego formal” e agora estou pilotando a minha própria vida. Uma grande vitória. Mas e agora? Quais os planos? Qual o caminho a seguir?

Acho que possuir uma noção clara e, mais do que apenas uma noção, uma profunda certeza quanto ao objetivo a ser seguido é um imenso privilégio. Possuir essa certeza é algo realmente para poucos e sinto-me feliz por ter comigo aquilo que o grande Napoleon Hill chamou, em seu livro A Lei do Triunfo, de Objetivo Principal Definido.

Considero a posse de um objetivo pessoal como “um imenso privilégio” por saber, através de conversas com amigos e conhecidos e de processos de atendimento individual com alguns dos meus clientes (curta a minha FanPage no Facebook para mais detalhes), que a maioria esmagadora das pessoas, infelizmente, não sabe o que deseja da vida. Elas deixam que suas vidas as guiem, em vez de guiarem suas próprias vidas na direção dos seus sonhos. Um erro gigantesco!

Há bastante tempo venho lendo e relendo capítulos do livro A Lei do Triunfo, um dos meus livros favoritos, e refletindo sobre a definição pessoal de um Objetivo Principal Definido, condição básica e indispensável para qualquer processo de busca pelo triunfo e pela vitória.

“Quando se navega sem destino, nenhum vento é favorável.” ~ Séneca

Sobre o Objetivo Principal Definido diz Napoleon Hill na “Lição Segunda” de A Lei do Triunfo:

“O objetivo principal na vida deve ser escolhido com um grande cuidado e, depois de escolhido, deverá ser escrito e colocado num lugar onde se possa vê-lo pelo menos uma vez por dia. Isso tem por efeito psicológico impressionar o subconsciente da pessoa de tal maneira que ela aceita esse propósito como um lema, um projeto, uma “planta” que finalmente dominará as suas atividades na vida e a guiará, passo a passo, para a consecução desse objetivo.” ~ Napoleon Hill

Eu segui a orientação dada por ele e tomei nota, já há bastante tempo, do meu Objetivo Principal Definido em dois lugares diferentes: em uma simples folha de papel e em uma nota no meu Evernote.

Eu não tive contato diário com essas anotações, como sugerido, mas é certo que as visitei muitas e muitas vezes. Seja como for, penso que o “efeito psicológico” do qual Napoleon Hill fala realmente aconteceu e prova disso é que estou publicando agora.

Abaixo fotos das duas anotações que do meu Objetivo Principal Definido. Nenhum glamour, nada sofisticado: anotações pobres em forma, mas ricas em significado.

Papel contendo a seguinte frase escrita: "Levar desenvolvimento pessoal às pessoas".

Escrevi em uma simples folha de papel: “Levar desenvolvimento pessoal às pessoas”. Sim, essa é a minha letra.

Screenshot do Evernote com os dizeres: "Levar desenvolvimento pessoal às pessoas."

Anotação de Objetivo Principal Definido que fiz em meu Evernote.

O Objetivo Principal Definido

“Levar desenvolvimento pessoal às pessoas” pode parecer algo vago demais. No entanto, algum tempo depois de tomar a decisão de abraçar essa vaga e simples frase como o meu Objetivo Principal Definido, algumas coisas começaram a se delinear de maneira surpreendente, aos poucos.

A mais importante delas foi o convite do Toni Durden e do Walmar Andrade, no início de 2011, para integrar a equipe do Mude.vc e ajudar a tocar esse projeto que conta hoje com quase 10.000 membros cadastrados, mais de 400 artigos publicados e mais de 250.000 acessos mensais.

Me parece que o Mude.vc é um excelente “canal” para “levar desenvolvimento pessoal às pessoas”, não é mesmo?

Esse projeto é a minha maior aposta para me consolidar de uma vez por todas como piloto da minha própria vida e cumprir o meu objetivo (e já o estou cumprindo, nesse exato momento) de ajudar o máximo de pessoas possíveis a se desenvolverem.

Além do trabalho com o Mude.vc também estou finalmente empreendendo algumas iniciativas que há anos estavam sendo barradas pela Zona de Conforto na qual eu estava preso, como é o caso do primeiro curso presencial de Produtividade Pessoal com GTD que irei ministrar no Recife e das minhas sessões de orientação individual para pessoas interessadas em um estilo de vida mais gratificante e significativo.

Em tempo: estamos trabalhando no primeiro curso online do Mude.vc e em breve teremos novidades para contar por aqui. Se você está interessado em receber notícias sobre esse treinamento, cadastre o meu email no campo que encontra-se no final desse artigo e nós o manteremos informado em primeira mão.

Foto de Napoleon Hill

“A concentração do esforço e o hábito de trabalhar com um propósito, eis os dois fatores essenciais para o triunfo, e que se encontram sempre juntos. Um faz nascer o outro.” ~ Napoleon Hill

Descubra o seu próprio Objetivo Principal Definido

Há muita coisa acontecendo no meu processo de pilotar a minha própria vida e estou certo de que há ainda muito mais para acontecer no futuro.

Apesar do momento de instabilidade que vivo e da falta de uma fonte de renda segura, eu me sinto feliz por ter atualmente uma única opção disponível: levar desenvolvimento pessoal às pessoas. Esse é o meu Objetivo Principal Definido.

Ao término desse artigo tenho, então, uma pergunta para você: qual o seu objetivo principal?

Você o possui? Sabe o que realmente deseja da vida? Sabe para onde deseja pilotar a sua vida? Ou deixará que as circunstâncias externas o guiem para onde elas desejarem? Não caia nesse erro!

O que estou tentando realizar só tem a chance de dar certo por conta da força da definição desse objetivo. Defina o seu hoje, agora, já! Faça isso antes de dar qualquer passo significativo e de assumir qualquer risco!

Ou talvez você prefira continuar onde está, sem realizar grandes mudanças e sem viver a vida que desseja viver e sem ser a pessoa que deseja ser. A escolha é sua!

Para comentários, dúvidas e questionamentos você pode usar o espaço para comentários abaixo.

André Valongueiro

André Valongueiro é coach, educador e escritor. Vive a vida nos seus próprios termos, viajando o mundo enquanto trabalha 100% online. Aprendeu a arte de realizar sonhos com paz e sem ansiedade e quer ajudar você a fazer o mesmo. Visite o blog pessoal.

13 Comentários

  1. “desejo me divertir e trabalhar com a minha banda”
    Cuidado especial com expectativas em trabalhar; quanto menos com banda. ;-)

    Responder
    • Todo cuidado, @alex_saueressig! =)

      Quando me refiro a diversão e trabalho com uma banda eu não possuo expectativas financeiras envolvidas. No entanto, estar em uma banda de Metal é algo que há anos me proporciona experiências interessantes que gostaria de manter e até de ampliar.

      A banda em que eu estava anteriormente e com a qual passei 5 anos me proporcionou muitos bons momentos: viajei e toquei bastante Brasil afora e realizei o sonho antigo de excursionar pela Europa em uma tour com 16 shows por 8 países. Foi uma experiência sensacional e que eu realmente gostaria de repetir com a minha banda atual.

      Para ser sincero com você manter-se em uma banda de Metal requer investimento. Não há lucro financeiro algum envolvido. O pagamento quase sempre são as experiências e os momentos.

      Um grande abraço e obrigado por participar!

      Responder
  2. Fala André,

    Parabéns cara. Esse desconforto que você comentou é com certeza a indicação que você está no caminho certo! No pain, no gain, como diria o Arnold!

    Vou acompanhar teu progresso, nos mantêm informados!

    Grande Abraço,

    Responder
    • Obrigado pelo apoio, @Fernando_Rui!

      Não tenho dúvida alguma de que o desconforto que sinto é positivo. Da mesma forma que também não tenho dúvida de que o meu desconforto é ainda muito pequeno se comparado ao que sentem os homens que realizam coisas realmente grandes.

      Os manterei informados sim. No início da próxima semana publicarei o segundo post da série. Aguarde!

      Um grande abraço e sucesso!

      Responder
  3. Nossa! Isso é o que eu estava esperando ler!
    Muitas vezes precisamos realmente dar uma repaginada na vida, virar tudo de cabeça pra baixo e recomeçar! Só que nem sempre é fácil, não é? Não é fácil entrar numa situação de inconstância.
    Parabéns pela iniciativa! Vou acompanhar seus resultados!
    Quem sabe possa me motivar a também reformular minha rotina de vida e encarar aos desafios que vão surgir.
    Abraços!

    Responder
    • Fala, @Alexandre_Antunes!

      Algo assim nunca é fácil, meu velho. Não tem como ser, na verdade, pois trata-se de uma grande ruptura com o nosso estado de conforto em um dado momento.

      Fico realmente feliz que tenha gostado e espero que continua acompanhando. Se você desejar fazer perguntas para que sejam respondidas nos próximos artigos sinta-se livre para isso. Ocupe o espaço, ele é esse! ;-)

      Um abraço!

      Responder
  4. vou tentar tem que abrir mao de algo para conseguir o que realmente quer

    Responder
    • @Rozangela_Somariva, boa sorte na empreitada. E conte conosco para ajudar com as informações que você precisar!

      Abraço!

      Responder
  5. Excelente texto André!! Veio no momento certo para mim. Estava precisando entender de vez que a zona de conforto é a pior coisa que tem. Acredito que muita gente, assim como eu, tenta fazer o que gosta e desiste no meio do caminho por não ter os resultados desejados. Romper com esses obstaculos limitadores é um grande desafio. Muitas vezes mudamos pela dor, quando acontece algo que faz vc repensar a própria vida e ‘renascer’, parar de procrastinar e assumir suas próprias responsabilidades. Ai a gente volta e tenta recuperar o fôlego. Ou não.
    Só sei que também topo esse desafio! :)

    Responder
    • Obrigado, @Thaisa_Fortuni!

      Sim, a Zona de Conforto é algo extremamente negativo e vai te manter “enjaulada” dentro de uma vida medíocre se você não tomar a decisão de vencê-la.

      A desistência prematura a que você se refere não é fruto da falta de “resultados desejados”, mas sim fruto da necessidade de “resultados imediatos”. O nosso imediatismo é outro grande inimigo, tão perigoso e pernicioso quanto a nossa Zona de Conforto.

      Os resultados desejados virão se você fizer o que precisa ser feito para que eles aconteçam. Não há mistério quanto a isso. A grande questão é ter a capacidade de permanecer trabalhando até que eles aconteçam.

      É preciso lutar contra a tendência de desejarmos resultados rápidos e resultados que aconteçam com pouco esforço da nossa parte.

      Fico feliz que tenha topado esse desafio. Inscreva-se nele e participe do tópico no fórum também. E se tiver perguntas não deixe de enviá-las, pois elas podem me ajudar a produzir artigos cada vez mais úteis!

      Um abraço!

      Responder
  6. Estou fascinado pelo projeto, também fiz algo parecido há 3 anos atrás e obtive os resultados esperados: http://www.corporacaoideias.com.br estive lendo um relato no site e em breve postarei a minha história para ajudar auxiliar o pessoal na busca dos objetivos, aguarde!

    Responder
    • Meu xará @Andre_Crevilaro, muito obrigado pelas palavras!

      Aguardo o seu relato, estou curioso. O seu projeto “Corporação Ideias” está iniciando agora?

      Um grande abraço!

      Responder
  7. Fui, durante 15 anos, um drogado, dependente químico, maluco, nóia, crackeiro, fumador de pedra, farinheiro, maconheiro, dependente quimico, adicto (os dois últimos ainda sou. Hoje sem drogas, em recuperação, sobriedade contínua. Só por hoje, um dia de cada vez).

    Um “horrível” dia acordei sem 1 real no bolso como sempre, dormindo na rua, no frio, sem ter o que comer, sem dignidade, caráter totalmente distorcido, visão de mundo deturpada, apático, deprimido, confuso, em xeque, sem saber o que fazer, sem saber como fazer e sem ter o que fazer, apenas sabendo o que não queria mais fazer, o que não queria mais ser, onde não queria mais estar, o que não queria mais usar, com quem não queria mais conviver, o que não queria mais passar. e pronto! Cá estive no mude.vc.

    Hoje, após algumas práticas do MUDE e do Programa de 12 Passos de Narcóticos Anônimos para me manter sóbrio e em recuperação da Dependência Quimica (adicção), estou em processo de mudança diária, desconforto diário, conquistas diárias, em todas as áreas (rss!).

    Obrigado André Valongueiro.
    Obrigado Narcóticos Anônimos.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1.410 membros Ícone do Desafio jfb_p_buttontext

Não perca essa oportunidade:
Comece a mudar agora mesmo

Basta um clique no botão abaixo:

jfb_p_buttontext